Fotos e Vídeos

A Internet pode ser uma ferramenta excepcional na formação, educação e desenvolvimento dos nossos filhos, no que concerne às suas capacidades cognitivas, sociais e emocionais.
Existem, no entanto, situações de risco para crianças e adolescentes: mais vulnerável e inexperiente, o menor não reconhece as influências negativas que os conteúdos impróprios podem ter no seu comportamento, e como proteger-se de situações potencialmente perigosas e abusivas.
A adopção das regras básicas de segurança, a par duma vigilância períodica e de alguns conhecimentos elementares de informática, permitirão que a criança e adolescente gozem duma experiência plena mas segura da internet, sobretudo quando não supervisionados pelos pais e educadores.

Consulte as nossas dicas. Veja também quais os sinais de alarme a que deve estar atento/a no comportamento das crianças.

-Acompanhe as actividades do seu filho na internet

Saiba quais as páginas, jogos e serviços que o seu filho mais utiliza na internet. Participe tornando-se mais um dos amigos virtuais do seu filho nesses serviços. Oiça e mostre interesse em conhecer as suas descobertas e gostos. Não critique as suas escolhas só por lhe parecerem desadequadas, converse abertamente e aconselhe conteúdos interessantes, influenciando positivamente as suas escolhas e critérios. Desta forma, não só conseguirá diminuir a necessidade do seu filho em procurar outro tipo de conteúdos, como terá muito mais conhecimento sobre o que ele faz online.

-Limite o uso do computador a uma zona de fácil acesso


Ao colocar o computador numa zona comum da casa, como a sala ou a sua área de trabalho, está a habituar o seu filho a partilhar a Internet tal como faz com a televisão, dvd ou consola de jogos, permitindo simultaneamente a vigilância das suas actividades.

-Estabeleça limites claros, mas realistas, na utilização da internet


Defina claramente as horas de utilização e quais os serviços que o seu filho pode utilizar na internet, tendo sempre em conta a sua idade e o padrão de utilização dos respectivos amigos.
Lembre-se que definir regras que possam fazer com que o seu filho se sinta excluído perante o seu grupo de amigos, pode afastá-lo de si e fazer com que ele aceda aos mesmos conteúdos longe do seu olhar e capacidade de influência.

A melhor solução passa portanto por uma gestão de expectativas adequada à idade e cenário social da criança.

-Alerte para os perigos das conversas com estranhos


Informe o seu filho de que não pode, em circunstância alguma, combinar encontros com estranhos ou “amigos que fez na internet”, nem fornecer informações pessoais ou sobre a sua rotina diária - como nome, idade, morada, telefones, horário da escola, para onde vai no final das aulas, que locais costuma frequentar, etc - sem o avisar previamente. Explique ao seu filho o porquê destas medidas, mostrando-lhe a importância que têm na manutenção da sua segurança e integridade física.

-Ensine o seu filho a proteger a sua imagem


Discuta com o seu filho os perigos adjacentes à exposição da identidade na internet. Será difícil demover o seu filho de colocar fotos na Internet ou de usar o Messenger, pelo que a melhor opção será alertá-lo abertamente para os eventuais perigos destas acções, e dar-lhe um voto de confiança.

-Opte pelo diálogo. Influencie positivamente as escolhas do seu filho


Evite o conflito se detectar uma utilização menos correcta da Internet por parte do seu filho. Em vez de provocar o desentedimento, crie a ponte entre ambos explicando a razão de considerar os conteúdos impróprios. Ao tomar consciência da gravidade inerente à consulta de certos conteúdos, o seu filho não encontrará mais nenhuma razão para os voltar a consultar.

-Instale software de controlo parental, filtros e monitorização no PC


Correctamente configurados, este tipo de programas impedirão o acesso a determinados conteúdos e filtragem de mails indesejados, bem como monitorização das actividades online, pela gravação dos sites visitados e das conversações em programas de instant messaging e salas de chat.
Tenha em conta no entanto que nem mesmo o melhor serviço de supervisão de conteúdos poderá substituir a vigilância e orientação de um adulto.

-Verifique se a rede escolar do seu filho possui software de controlo parental, filtragem e monitorização


É possível que a criança ou o adolescente tenha livre acesso à internet nos vários locais das suas actividades diárias, tal como a escola, biblioteca pública, lan-house local ou centro de actividades e tempos livres. Na impossibilidade de o supervisionar nestas alturas, procure informar-se sobre as condições de acesso das redes nesses locais, no que concerne a software de filtragem e controlo parental. Algumas escolas restringem o acesso a conteúdos e recursos educacionais. Procure saber se este é o caso do estabelecimento de ensino do seu filho.

-Em caso de abuso, procure ajuda. Denuncie às autoridades


Se for vítima, ou os seus filhos forem vítimas, de qualquer tipo de abuso relacionado com os serviços SAPO, contacte-nos por favor através da página http://suporte.sapo.pt ou email abuse@suporte.sapo.pt. No caso de conteúdos não directamente relacionados com o SAPO, pode usar a Linha Alerta InternetSegura para denunciar o caso, ou ainda fazer uma queixa na Polícia Judiciária.